quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Jornalismo Hoje



O trabalho de jornalista é muito importante e insubstituível na sociedade atual. Eventualmente ainda mais que em tempos recentes. Porque o jornalismo agora tem a companhia avassaladora e, para muitos, reverencial, das redes sociais. Um poder que muitos tomam como adquirido e absoluto. E os cuidados na separação do trigo do joio são quase nenhuns. A misturada é tão grande que a importância e o poder do jornalismo deviam ser ainda mais respeitados e acarinhados. É o jornalista que pode e deve fazer o trabalho honesto,  imparcial e rigoroso. Contacta as fontes, confirma e rebate informação. Não publica a primeira informação que lhe chega. Tudo o que as redes sociais não fazem,  porque  escarrapacham a cada instante e a eito. É preciso respeitar o trabalho do jornalista, dar-lhe condições e estabilidade. O jornalista deve ser respeitado quer pela sociedade quer pela entidade para que trabalha. Não sentir-se a mais, descartável, desconfortável, precário. Mas os jornalistas pertencem a empresas que, sobretudo quando visam apenas o lucro, decidem mais displicentemente sobre as suas vidas. Querem emagrecer os seus quadros, despedem, indemnizam, rescindem, porque há crise e os lucros baixam. A instabilidade instala-se. A amargura, o descontentamento, a desmotivação, afetam a criatividade, o talento e o empenho. Todos os agentes envolvidos na procura da quadratura deste círculo têm de fazer um esforço para repensarem tudo isto e encontrarem um fundamento para o que vai mal. A sociedade quer ou não um jornalismo sério, isento e fora de constrangimentos e pressões? Quer ou não um jornalismo independente e livre de espartilhos mentais, de autocensuras, dito de modo mais claro? Estas e tantas outras variáveis, para as quais o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, bem alertou, alto e bom som, na abertura do 4º Congresso dos Jornalistas que agora decorre. Se se costuma dizer que o jornalismo reflete a sociedade que temos, então se essa sociedade atua num quadro com um determinado registo, com desemprego, precariedade, trabalho muitas vezes desvalorizado e mal pago, empresas débeis e com problemas de receitas, pressões, é um pouco natural que nas empresas de comunicação social essa situação se reflita. O que é necessário é que haja da parte dos jornalistas uma resistência a tudo o que possa pôr em causa a sua nobre tarefa. Ou seja, não desistir, não abdicar, não vergar na nobre missão desta profissão que é informar, como referiu o PR. Nunca será um caminho fácil e confortável, mas é essa resistência que importa manter e reforçar. Creio que a sociedade quer um jornalismo vivo, forte e ativo, mas é bem capaz de ainda não se ter dado conta disso. Para um jornalismo mais forte amanhã.

JOSÉ MANUEL PINA
Janeiro 2017
Editado e publicado no Público (por 2 vezes (?): 14 e 18 de janeiro) e no Expresso de 14 de janeiro.


1 comentário:

  1. Bom o seu texto caro José, parabéns. Agora, o que é ABSOLUTAMENTE ESPANTOSO é facto do PÚBLICO o ter publicado duas vezes e, embora menos, o ter sido publicado também no EXPRESSO!!!! Pergunto-me onde está a verdade do primeiro jornal quando, não há muito pouco tempo dizia que "recebiam centenas de cartas por dia" (sic)e a pergunta que faço a mim mesmo há muito: é "lícito" enviar o mesmo texto a vários jornais na mesma data? À atenção da Céu Mota e do próximo encontro de leitores-escritores em Março!...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.