quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Público continua a... despedir

O assunto do “despedimento” de jornalistas já aqui foi abordado. Tomei conhecimento há pouco de que Paulo Moura, reconhecidamente um dos melhores cronistas portugueses, foi dispensado pelo Público, ao que parece, com os mesmo métodos que atingiram Alexandra Lucas Coelho, depois de José Vitor Malheiros. Face a discordâncias de posições políticas, o director do Público, David Dinis, puxou dos galões de capataz e… zás: ou trabalho escravo, como no Alentejo e Andaluzia, ou RUA. Até onde irá ele?
Sou leitor do Público desde os seus primórdios e, há já algum tempo, habituei-me a enviar-lhe uns textos-carta que, às vezes, são publicados. São razões que consubstanciam uma forte ligação que muito me custará alterar. De qualquer maneira, começo a sentir a necessidade de ponderar essa alteração, porque a orientação do jornal não me parece revestida da dignidade necessária.

3 comentários:

  1. E vai mais um, não é José? Dos bons , ainda por cima. Era de prever com a equipa que veio para o PÚBLICO. Partilho o mesmo sentimento que o meu amigo em relação ao jornal e "doi-me".

    ResponderEliminar
  2. E no DN, Paulo Baldaia, despediu os leitores/intervenientes todos. E estes, deviam protestar todos...Eu e a Céu Mota já o fizemos.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.