domingo, 8 de janeiro de 2017

SOARES NÃO DESISTE!



Nunca votei Mário Soares em legislativas ou presidenciais. Tal não impede que hoje esteja triste. Foi em 1973, ainda em ditadura de Salazar, que arrostei alguns naturais incómodos para poder assistir a um comício da CEUD no Teatro Vasco Santana em Lisboa. Até 1980, Soares foi indispensável na liderança política portuguesa, face à ameaça comunista em Portugal. O PPD e o CDS, face ao poderoso PCP de Cunhal, mesmo aliados que fossem, nada poderiam ter feito para anular a ameaça totalitária que pairou no nosso País entre 1974 e Novembro de 1975. Só a coragem e a inteligência de Francisco Sá Carneiro, possibilitaram em 1980 a existência de uma alternativa ao comunismo, sem passar pelo PS de Soares. Mas foi mais fácil a Sá Carneiro avançar, depois de Soares e o Grupo militar dos Nove terem rechaçado as aventuras de Cunhal e seus aliados militares. Não esqueço também o fantástico comício da Fonte Luminosa em Lisboa, autêntico marco de protesto contra Cunhal. E na Marinha Grande, onde Soares gritou a Cunhal e aos sindicatos comunistas que Portugal não era Moscovo. Nesses duros tempos, era preciso coragem física, era preciso não desistir. E Soares nunca desistiu de lutar pelas suas ideias, mesmo quando mal apoiado ou mesmo sózinho. Chegou mesmo a cortar relações com amigos próximos (Zenha e Alegre), quando entendeu que eles estariam errados. Foi um político que viveu intensamente a política, como uma segunda pele. E nunca se queixou, que a política era chata ou que fazia um sacrifício em servir o País. Desempenhou espinhosas missões com alegria e optimismo. E como PR inaugurou um estilo presidencial que contrariou a tese de que o PR em Portugal seria pela Constituição uma "rainha de Inglaterra". No seu segundo mandato de PR usou (e abusou até) dos seus poderes constitucionais para travar um combate de morte contra Cavaco Silva, seu PM. Nunca tal se tinha visto em Portugal, um PM com maioria absoluta ser travado e combatido pelo próprio PR. Mas ao fazê-lo inaugurou um estilo e estabeleceu jurisprudência. Os que agora criticam o estilo de Marcelo pela sua proximidade e popularidade junto das massas, revisitem as campanhas de Soares pelo País e verão que este PR apenas seguiu o exemplo de Soares. Com o passamento de Mário Soares morre um parte de Portugal, como o conheceu a minha geração. Paz à sua alma.

OBS: Publicado na edição de 9/1/17 do jornal PÚBLICO

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.