quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Ainda acerca do ‘incomportável’ aumento do smn


1 – Carlos Silva, líder da UGT, terá afirmado ser prematuro pensar-se já em novo aumento do smn, apesar do (quase) acordado aumento para 600 euros em 2019.
Reafirmou também, numa perspectiva divisionista, que só assinará uma adenda ao acordo de concertação social se a CGTP ficar de fora.
Perante tais tomadas de posição, parece-nos que Carlos Silva se assemelha a um sindicalista mínimo nacional, míope até mais não, não enxergando para lá do seu nariz, olhando somente para o seu umbigo.

2 – Manuel de Lemos, presidente da UMP – União das Misericórdias de Portuguesas -,através de um estudo sobre o impacto da subida do smn, concluiu que haverá maiores gastos a suportar pelas empresas no interior do país devido à baixa densidade populacional, enquanto nos grandes centros isso não se verifica.
Mas, tendo em conta a virtude de agora existir melhor equidade do rendimento do trabalho de base, deverá haver outras fontes de sustentabilidade e cooperação nos distritos do interior do país.


José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.