sábado, 4 de fevereiro de 2017

DUAS DESGRAÇAS



Um estudo realizado pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, concluiu que uma em cada cinco famílias em Portugal, encontra-se em insegurança alimentar por não ter acesso a uma alimentação saudável e por receio de não ter o que comer por motivos financeiros. Exemplo disso, é o facto de se ter verificado, por parte destas pessoas, uma diminuição na compra de medicamentos e no número de idas ao médico por dificuldades económicas sentidas nos três meses anteriores ao inquérito. Estes nossos compatriotas, revelam ainda uma menor adesão ao padrão alimentar mediterrâneo, recorrendo menos ao azeite como principal fonte de gordura, consumindo também menos fruta e hortícolas e preferindo carnes vermelhas e processadas.
O estudo não refere outra tristeza que se verifica neste país (e talvez não só) e que é o êxito do comércio da comida de plástico. O fast food. E da beberagem açucarada e viciante a ele associado. Isto, apesar de termos uma das melhores gastronomias do mundo, e de estas mistelas provocarem, o que já é quase uma pandemia, a obesidade. Mais grave ainda, a infantil.
Portanto, estamos perante duas desgraças. A primeira, devido ao desemprego, à precariedade, aos salários e pensões de miséria, ao resultado das brutais assimetrias sociais, fruto do capitalismo predador. A segunda, devido à eficácia do marketing dessas poderosas multinacionais, principalmente das duas norte-americanas muito conhecidas. Nomeadamente, junto das faixas etárias mais jovens.
Francisco Ramalho
Corroios, 4 de Fevereiro de 2017


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.