segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O saque continua

Mais uma vez soubemos que os gestores que têm estado e os que ainda estão à frente da banca em Portugal ganham vencimentos incomportáveis e escandalosos, num verdadeiro contraciclo com a actual tibieza bancária, que raia uma quase continuada bancarrota.
Assim, dizem-nos que na Dinamarca, na Noruega, e na Suécia, os vencimentos dos ‘senhores da banca’ são mais baixos e honestos, contrastando com a solidez dos seus bancos e da expansão das suas economias.
Por isso, ficamos surpresos com o ‘ruído ensurdecedor’ dos partidos com assento na AR que, no caso vertente e em outros de igual jaez, nada digam, como, por exemplo, propondo uma moção de repúdio contra tão improdutivo sorvedouro, que delapida o pouco que os bancos ainda possuem.
Pelo contrário, têm feito um verdadeiro escarcéu à volta do ‘insustentável’ aumento do smn, enquanto os vencimentos milionários duplicaram, dando a ideia de que a economia nacional vai de vento em pôpa, enquanto as bases laborais, ‘causadoras de todas as desgraças’ derivam num mar de tormentas rumo ao Triângulo das Bermudas.
Gostaríamos de ver os formatadores de opinião pública auferirem o salário mínimo nacional, para vermos quais seriam as suas faladuras.

José Amaral


1 comentário:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.