domingo, 26 de fevereiro de 2017

Uma comenda para Núncio




Eu perdoo ao senhor Paulo Núncio e se pudesse até o beijava. Sublinho: perdoo incondicionalmente.
Faço-o pela nobreza do seu gesto: assumir a responsabilidade política. É um exemplo para os meus filhos. A ética, a moral, a sua fé num Deus que lhe diz para praticar sempre o Bem e nada mais que o Bem. Pensar primeiro nos outros, e que a nós venha humildemente o pouco, suficiente ainda assim para sermos felizes.
Não é senhor Paulo Núncio?
E o que lhe devemos que é muito, segundo a sua chefe, e com toda a propriedade o diz!
Quantos 10.000 milhões de euros não se escaparam nas comissuras de negócios obscuros e a ninguém importou chamar a uma justificação. O que são mais 10.000 milhões de euros, quando se assume a responsabilidade política?
Não me canso de anunciar aos ventos: que belo e nobre gesto! Gostaria de vir um dia a ser como o senhor, aproximar-me do seu exemplo, mas não posso, falta-me a coragem para assumir a responsabilidade.
É por isso, por essa minha cobardia que só me resta ficar quedo e babado a admirar as qualidades e flexibilidades de indivíduos como Vossa Senhoria, que se pavoneia por aí, garbo e enchido de aprumo, montado na sua impoluta responsabilidade, que faz de si um dos exemplos maiores de bem servir a coisa pública.

Um Obrigado sentido e volte, que precisamos e devemos-lhe muito. 

3 comentários:

  1. É verdade que assumir a responsabilidade política não resolve o problema das eventuais irregularidades ligadas aos 10.000 milhões de euros passados para os cofres estrangeiros. O grande problema, que prejudica irremediavelmente os países mais mais pobres, é a existência legal dos off shores. O dinheiro ganho num determinado país, se é transferido para outro em vez de reinvestido nesse país, prejudica o crescimento económico do gerador. Contudo, os países mais ricos, porque isso os favorece, aconchegam toda essa pouca vergonha. Quanto ao Paulo Núncio, não fez como o apóstolo Paulo que negou Cristo e tentou ser um Núncio Apostólico da Verdade. Se os outros políticos, que erraram ou nos roubaram, fizessem o mesmo, a sementeira da verdade havia de ser implantada. Este apóstolo não terá seguidores, porque os seus colegas políticos não são anjinhos. Quanto ao Luís, parabéns pela intervenção, e que a veia satírica se mantenha.

    ResponderEliminar
  2. Engraçado, a Cristas, ou quem quer que seja, enaltecer a hombridade de Núncio assumir responsabilidades (quando são só políticas, não custam dinheiro). Eu gostava é que ele não tivesse de assumir essas responsabilidades, por não ter cometido ou omitido (no mínimo) uma actuação como a que teve. Até vale a pena infringir leis para, depois, nos desculparmos e sermos incensados. Então e a infracção... foi-se? Dai-me paciência.

    ResponderEliminar
  3. Parabéns ao Luís pelo belíssimo texto satírico.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.