segunda-feira, 6 de março de 2017

Não, não somos o que dizemos que somos

Como cidadão minimamente atento ao que de bom e de mau por cá se faz (e, já agora, ao de lá de fora também), não posso deixar de lamentar que há Instituições que funcionam hoje como se estivessem ainda na "Idade da Pedra". E se o fazem, é porque há quem o permita, e com tanta impunidade à mistura, continuarão a fazê-lo, e a seu bel prazer, por saberem que a culpa quase sempre acaba por "morrer solteira"... Há tantos exemplos! Aqui vai um deles, que me tem sido, e saído, muito caro: demorar mais de um ano a atribuir uma pensão de Velhice, a um beneficiario do RSI, é impróprio para cardíacos. Mas a propaganda diz que somos um país da linha da frente, com tecnologia de ponta e profissionais altamente qualificados. O que seria se não o fôssemos...

Luís Reis
(JN, 6-3-2017)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.