quinta-feira, 30 de março de 2017

O Reino Unido escafedeu-se de vez

 Ao fim de 60 anos de história colectiva após a criação da UE, o Reino Unido notificou-a, invocando o 50º artigo do Tratado de Lisboa, pondo fim a 44 anos de uma união de facto, que de facto nunca foi.
Agora, os actuais 27 membros que compõem a tremida UE têm – mais do que nunca – de congregar todos os esforços para que se dilua por completo o pouco saudável bipolar Norte/Sul, mas sim encontrarem medidas mais equitativas entre todos os estados, a caminho de uma verdadeira federação europeia, que faça esbater os nacionalismos mais fundamentalistas, sem, contudo, esquecermos a nossa identidade.


José Amaral

1 comentário:

  1. Ora aqui está uma opinião que não deixa dúvida: a defesa do federalismo europeu. Num tempo em que as vozes de "saída" são tonitroantes e as de saída se vão afirmando, muitas vezes por uma acrisolado e mal reflectido "orgulho pátrio", falta a vontade de defender o federalismo europeu. Não o desta Europa capturada por interesses e bloqueada ideologicamente mas um todo de cidadãos que, tendo diferenças culturais, se congreguem no essencial. Dir-me-ão que é "utopia requentada" mas, querem ideia mais "requentada" ( e perigosa ) que a atomização da Europa bem enquadrada por gente de ideias iguais às que produziram fascismos e uma devastadora 2ª guerra mundial?

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.