sábado, 8 de abril de 2017

A DEPRESSÃO

O consumo de antidepressivos em Portugal aumentou cerca de 33% em cinco anos, de 2012 para 2016, revela o Infarmed, regulador do medicamento. Os especialistas alertam para o excesso de medicação e para a falta de psicólogos nos centros de saúde.
Em 2012 foram dispensadas 5,9 milhões de embalagens de antidepressivos e, no ano passado, 7,9 milhões. Entre os psicofármacos, os antidepressivos são os que mais cresceram.
No último ano, 8% dos portugueses tiveram um episódio de depressão. Ao longo da vida, cerca de 20% já tiveram depressão.
Em média, uma pessoa com depressão tem uma incapacidade de 50% superior à provocada pela angina de peito, artrite ou diabetes.
A linha de ajuda na área de prevenção do suicídio SOS Voz Amiga recebeu 3701 pedidos em 2016.
Eis no que dá a sociedade mercantil. As pessoas estão cada vez mais isoladas, idiotizadas pelo consumo, pela compra e venda. Os smartphones, os facebooks ainda nos isolam mais. O tédio e a pressão das horas fazem as pessoas cada vez mais infelizes. A verdadeira comunhão vai rareando. São eleitos ditadores, vigaristas, patetas que obedecem aos senhores do dinheiro e do mercado. Rareia o abraço, o gesto espontâneo de alegria. Estamos a ficar doentes, muito doentes. Com dificuldades em comunicar, em abrirmo-nos ao outro. As pessoas passam na rua automatizadas. Acabamos por ficar em frente ao computador à espera de algo que nunca mais vem. Não abordamos o desconhecido. O capitalismo, além de matar de fome, mata de depressão, de tristeza.

2 comentários:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.