segunda-feira, 3 de abril de 2017

A impertinência de dois escritores

O primeiro foi António Lobo Antunes (ALA) quando, há dois ou três meses, escreveu uma crónica violentíssima contra a Ordem dos Médicos (OM), na VISÃO. "Atirava-se" àquela com ferocidade por ela lhe ter enviado um pedido de pagamento de quotas em atraso e dizia que ia devolver a medalha de ouro que a Ordem lhe tinha concedido tempos atrás. O segundo é Bob Dylan (BD), laureado com o Nobel de Literatura, que não foi à cerimónia oficial de entrega e se apresta para receber o galardão em condições por si impostas; privadamente e sem a presença de jornalistas.
A ALA já respondi na mesma revista e repito: primeiro pague as "quotinhas" e depois fale. E juntei que a "culpa" é da OM que, pressurosamente. foi homenagear quem não o merecia, como agora se vê.
No caso de BD,  a culpa vai inteirinha para a Academia Sueca quedá cobertura ao poeta de canções e à sua soberba despudorada. Ídolos com pés de barro!

Fernando Cardoso Rodrigues

3 comentários:

  1. Gosto de ler as crónicas de ALA na Visão.Mas, escritas aparte,apoiado amigo Fernando!

    ResponderEliminar
  2. Eu também gosto ( já gostei mais) e penso mesmo que as crónicas, especialmente as antigas, são bem melhores que a maioria dos romances. Mas esta, não teve sentido nenhum.

    ResponderEliminar
  3. O ser humano não pode considerar-se intocável. Tem de conviver com todos e, quando engrandecido por uma parte, deve acatar os ditames instituídos.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.