quinta-feira, 20 de abril de 2017

Além da dívida há mais vida!


O Governo quer reduzir o défice e pagar os juros da dívida à custa de não satisfazer as nossas
expectativas. Restringir o investimento público, para pagar a dívida, recorda a política anterior
que foi mais troikista que a troika. Vem de trás e este executivo defrauda-nos, tendo uma
preocupação fanática pelo défice, estando sempre os números à frente das pessoas. Porquê? 
Há milhares e milhares de reformas/pensões abaixo dos 400 euros, geradoras de pobreza. O SNS é deficitário em Assistentes Operacionais e incapaz em algumas valências. Os Funcionários Públicos voltam a não ter aumento salarial e a resolução da chaga dos trabalhadores precários é lenta, sendo o Estado o maior prevaricador, abrindo aos privados os desmandos que conhecemos. Há tanto onde usar bem o dinheiro.
O peso dos juros da dívida pública/privada é a colossal cifra de 8 mil milhões de euros/ano!
Deve ser renegociada, para que haja crescimento e não condicionalismos, aliviada a insuportável carga fiscal e proporcionada dignidade. Priorizar poupanças para a redução do déficit - serve os mercados, agências de rating e a cega austeridade de Merkel/Shaüble. Estima-se que até 2021 haja 19 mil milhões de euros de poupanças! À custa de quem?, de quê?, e de que cortes?
Este garrote escrupulosíssimo do pagamento da dívida é o oposto à falta de coragem para enfrentar Bruxelas sobre os astronómicos juros agiotas que inqualificavelmente nos esmagam!
Já nos bastava o Tratado Orçamental e agora a insensibilidade social de Mário Centeno ser igual à demonstrada por Maria Luís Albuquerque.
O PCP e o BE vão ter uma indigestão?… 

                                             artigo de opinião de Vítor Colaço Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.