quinta-feira, 27 de abril de 2017

Esclarecimento precisa-se

Como as coisas ruins aparecem quando menos se espera, e sem convite, agora temos pela frente a vespa dos castanheiros; e as soluções que tenho ouvido preconizar para a combeter parece-me risível…
De facto, o que há pouco ouvi, num souto transmontano, dito por alguém supostamente entendido na praga em causa é totalmente impraticável, pelo menos da forma que é proposto.
Na verdade, tendo sido dito que se devem vigiar as árvores e cortar todos os ramos infectados, queimando-os de imediato, só posso ficar perturbado ao verificar que a moléstia invade de baixo acima árvores muito jóvens e outras com dezenas de anos a produzir anualmente boas castanhas, o que, a levar à letra o conselho, só decepando completamente o castanheiro!
Cortei alguns ramos e analisei os “abcessos”, cortando-os ao meio com a tesoura da poda, deparando-se-me um ninho de larvas vivas em cada um. Como não é de crer que esta coisa ruim desapareça com a mesma facilidade que apareceu, que Deus ajude os estudiosos a descobrir uma solução eficaz, de preferência biológica, ou deixaremos de ter castanheiros como os conhecemos até agora…


                                        Amândio G. Martins

1 comentário:

  1. O último período do primeiro parágrafo saíu desconforme: deve ler-se "e a solução que tenho ouvido preconizar para a combater parece-me risível".

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.