sábado, 8 de abril de 2017

MARCELO, OS POBRES E OS "LOBOS"

Eu acredito na genuína preocupação de Marcelo Rebelo de Sousa com os "sem abrigo" e com os pobres em geral. Acredito, aplaudo e acho que deve continuar, o que é bom para quem recebe ajuda material e espiritual, bom para quem vê tais exemplos e bom para o próprio Marcelo Rebelo de Sousa, que, vendo Deus no rosto dos que sofrem, se santifica.
Porém, Marcelo Rebelo de Sousa não é, apenas, um líder espiritual, embora, nesse aspecto, ele já seja grandioso (sem lhe tirar todo o mérito, faz-me lembrar o Papa Francisco). Marcelo Rebelo de Sousa também é o Presidente da República de um país onde a corrupção, a cultura da política partidária oportunista, a incapacidade do Banco de Portugal exercer a supervisão dos outros Bancos, a existência de leis que protegem os políticos e a inexistência de leis que os punam, o bloqueio da Constituição a alterações por "iniciativa legislativa dos cidadãos", a permissividade perante a acumulação de funções pelos deputados, os ganhos materiais dos políticos profissionais, as subvenções vitalícias, etc., criam mais pobres e merecem uma reprovação dura, tão dura como a que o Papa Francisco deu à Cúria, aos "lobos" do Vaticano.
Aqui, os "lobos" são outros e são geralmente advogados e deputados, Presidentes de Câmaras, Administradores de Bancos, Ministros e ex-Ministros, responsáveis por  leis, que tornam legal o imoral ou o anti-ético!
 
José Madureira

2 comentários:

  1. Deixa a rapaziada do futebol de fora? E os milhares de políticos, membros das Assembleias de Freguesia e de Executivos da Juntas de Freguesia que não ganham a ponta de um corno? Somos todos tão justos!...

    ResponderEliminar
  2. Caro Zé, gostei de te ver "por cá". Acho que o teu texto tem verdades ( tenho sempre "receio" desta palavra, embora no plural seja sempre melhor) mas a generalização é quase sempre abusiva. Agora aquela do "Papa Marcelo" teve... piada! Aquela dele ser "um líder espiritual" e... "grandioso", é um superlativo um bocado "superlativizado", não concordas? Sê bem vindo!

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.