domingo, 30 de abril de 2017

                             Choveu na minha horta

Com um inverno anormalmente seco e sem chuva que se visse aqui havia quase dois meses, uma terra onde abundam as nascentes de água, como esta é, dava vontade de chorar ver um tractor a lavrar um campo envolto numa núvem de poeira!
O terreno onde cultivo os principais hortícolas para consumo da casa é atravessado por um ribeiro, não me faltando, para já, água para regar o que mais precisa, apesar de o caudal estar reduzido a um terço do normal para a época.
Todavia, quando o tempo vai seco, por mais que se regue nunca é suficiente, porque o vento e o ar quente evaporam rapidamente a humidade; além de que não há rega que substitua uma boa chuvada, que finalmente aconteceu toda a noita passada. Até o ambiente, saturado de cheiro a queimado, se tornou mais respirável.
Oxalá se repita mais vezes o que agora aconteceu, porque um inverno seco seguido de uma primavera nos mesmos moldes não pode trazer nada de bom para os campos…


                                                 Amândio G. Martins

3 comentários:

  1. Do mesmo mal me queixo eu... Água é fonte de Vida! Por aqui, a água do Universo foi residual (Sintra) e mesmo assim...o vento secou - o pouco que choveu.
    Caro Amândio, chova pouco ou muito... pagamos sempre!
    Obviamente, é melhor chover.

    ResponderEliminar
  2. Já aqui falei no assunto. Abril águas mil... e quase nem uma pinga. A grande maioria não liga nada a isso. O Publico já falou no assunto e agora alguns já ficam despertos. Aqui para o Sul, onde não ´há água para rega, já se secou tudo. Uma desgraça!

    ResponderEliminar
  3. Para os citadinos, sobretudo estes, a chuva é sempre uma chatice. Dizem que as coisas para comer se compram nos supermercados, em lindos dias de sol...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.