segunda-feira, 24 de abril de 2017

O 25 DE ABRIL E O PARADOXO DA EUROPA


Eu sei que hoje e amanhã as redes vão estar "infestadas" de publicações da mais variada proveniência sobre o 25 de Abril, a Revolução, os sonhos, as desilusões .

Não vou tecer considerações sobre isso, nem que fazer quaisquer juízos de valor, em primeiro lugar porque não tenho esse direito e em segundo lugar porque o que verdadeiramente me preocupa não é esta súbita febre democrática que vai durar dois dias e como as viroses dos miúdos, ao fim do terceiro dia está curada, esquecida e arrumada.

O que verdadeiramente me preocupa é saber que esta Europa onde estamos inseridos, conseguiu a proeza de em dois anos, fazer aparecer mais de 35 milhões de novos pobres.
Sabiam?

E o que me inquieta mesmo é a noção clara que tenho, cristalina como agua de ribeiro em plena serra, que o aumento desmesurado das desigualdades e a democracia são antagónicos e a Europa tem que rapidamente decidir o que pretende - ser pobre, ou investir verdadeiramente nos valores que fazem as democracias nascerem, crescerem e progredirem.

Esses valores são simples - justiça social, igualdade de oportunidade, criação de riqueza, solidariedade ( não caridade ), ou se quiser ser curta e grossa, que as Pessoas sejam tratadas como Pessoas, que sejam consideradas a maior riqueza dos países e não um NIF, como são atualmente e que a Dignidade tenha níveis equilibrados abaixo dos quais não podemos permitir que se viva.

Enquanto forem as questões económicas e não as pessoas a prioridade dos países europeus, a democracia, na sua essência estará condenada. 

Temos o Brexit, temos a Turquia, temos a incerteza da democracia francesa, com Marine de Pen e a Frente Nacional a serem a segunda força mais votada na primeira volta daas presidenciais francesas; temos os refugiados, os atentados e o medo.

Temos tudo para abrirmos os olhos, mas continuamos teimosamente a não querer ver aquilo que diariamente nos entra olhos dentro.

 Enquanto as Pessoas valerem menos que o lucro e os jogos das economias, estaremos a assistir a uma total inversão dos valores que estiveram na base da revolução de Abril.

Sem falar directamente de Abril e dos 43 anos que amanhã se comemoram, acabei por lá parar.

Não direi que foram 43 anos perdidos, mas foram 43 anos muito desperdiçados e o resultado está à vista - aumento da pobreza, aumento das assimetrias sociais, aumento da hipocrisia, liberdade, apenas de pensamento e de expressão e mesmo assim, vamos ver até quando...

Provavelmente até nós deixarmos...

Apesar de tudo, vale a pena recordar Abril, aprender Abril, interiorizar Abril e mais importante que tudo Viver Abril...sempre e não apenas 2 dias por ano.
Parte superior do formulário


Graça Costa

2 comentários:

  1. De todo o seu discurso, Graça, destaco o penúltimo parágrafo e retiro o provavelmente: até nós ( creio que não pôs o acento por lapso) deixarmos... E os 3 pontinhos estão aqui muito bem (mais 3)... Disse aqui outro dia que o capitalismo está aí para lavar e durar. Não há forças progressistas (anti-capitalistas) organizadas, nem de longe, suficientes para o apear.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelo reparo - era mesmo um lapso que já corrigi.
    Concordo consigo - não quis ser excessivamente pragmática, mas creio que terá razão.
    Sobre as eleições francesas acabei de ler um artigo que amavelmente me enviaram por email e que me deixa ainda mais apreensiva sobre a política .
    Deixo o link se quiserem dar-se ao trabalho de dar uma espreitadela.
    https://www.facebook.com/notes/mario-ponti/macron-o-perfeito-iogurte/1448219975244879/.
    Uma tarde feliz...se possível .

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.