sábado, 29 de abril de 2017

O 25 de Abril mais triste



Este 25 de Abril foi para mim, muito triste. Assisti na TV durante o dia aos festejos, manifestações e entrevistas àquele povo anónimo que interrogado o que mais recordava sobre a data, respondia invariavelmente ter sido graças à revolução dos cravas (cedência à igualdade de géneros do BE) que o próprio, algum parente chegado ou afastado tinha sido libertado da prisão. E eu cada vez mais envergonhado deixando-me escorregar pelo sofá para esconder a vergonha de não ter um parente directo ou por afinidade que para o caso também servia, naquela situação. Deste vulgar cidadão sem passado antifascista nem currículo presidiário, por muitas voltas que dei à cabeça, nada. Lembrei do avô materno ter fugido para o Brasil, mas como sou honesto, era incapaz de invocar o caso pois a fuga foi por motivos passionais. Ainda pensei quando meti sal no açucareiro a um agente da PIDE, mas para ser franco, a minha antipatia advinha por vê-lo a tratar com muita arrogância os empregados de mesa do restaurante onde jantavamos em Dili. Já quase a desistir, veio-me à memória o episódio passado também em Timor quando o meu chefe, capitão do exército, foi injusto acusando-me num caso sem razão. Deixando-o sair do local, e já a imagina-lo bem longe, insultei-o do pior chegando a acusa-lo que era por haver gente como ele, um sustentáculo do regime, que eu estava ali tão longe de casa. Pelos vistos, não se tinha afastado o suficiente, ouviu o meu desabafo, entrou e sem nada dizer colocou sobre a secretária o RDM aberto na página que previa o castigo para tais casos. Na época, fiquei satisfeito por me ter safado da "porrada" mas que hoje serviria em cheio para também poder alegar ter passado pela prisão no tempo da outra senhora. Agora só me resta arranjar um psicólogo que me tire este pesadelo e pedir que ninguém leia esta carta que levará ao desprezo a que irei ser votado, por não ter passado antifascista. Jorge Morais

Publicada em Abril de 2016

Nota:
Devido ao feedback que a minha carta deste ano dedicada ao 25 Abril (De Leste nada de novo) teve - e como em 2016 não publiquei neste blogue a dedicada ao mesmo acontecimento, lembrei-me de fazê-lo agora pois trata-se dum texto sempre actual e onde dou a conhecer factos verídicos passados comigo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.