segunda-feira, 24 de abril de 2017

“Que se vaya”
Anda o Passos perdidos
Cantos da boca caídos
Por ter sido apeado
Quis um povo de mendigos
Mas sente-se injustiçado…

Foi tudo muito gravoso
Com governo mentiroso
Pintado de salvador
Que ao povo generoso
Deu anos de muita dor.

Estrangeiros poderosos
Foram muito pressurosos
A tomar conta de tudo
Levando como destroços
Jóias de grande futuro.

Abriu alas à canalha
Que massacra quem  trabalha
Para ter a pança cheia
Mas não previu a mortalha
E já morto esperneia!
Amândio G. Martins



Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.