domingo, 9 de abril de 2017

Vamos a ver

Trump continua imprevisível. Aliás, é imprevisível. Na mesma semana, repentinamente, fez duas coisas que ninguém esperava. Afastou Bannon (bye bye Steve?) do Conselho de Segurança Nacional e, em retaliação à hedionda agressão química de civis em Idlib, atacou forte e feio uma base síria. Se os factos têm alguma relação, não faço a mínima ideia, mas é bem possível. Quer isto dizer que Trump teve miraculosamente a revelação do que é ser presidente do país mais poderoso do mundo? Não necessariamente, receio que sejam apenas dois meros impulsos que podem, ou não, ter continuidade no futuro. O facto é que, no que respeita ao ataque, alguns países ocidentais aplaudiram ou, pelo menos, compreenderam complacentemente a atitude. Facto também foi que russos, iranianos e, é claro, o governo sírio (ninguém pediu opinião à Coreia do Norte...) protestaram, no que foram acompanhados, embora com argumentos diferentes, por muitos dos eleitores e apoiantes do actual presidente americano, como os homens do alt-right. E deu gozo ver a “lata” do criminoso Assad denunciar a violação das leis internacionais e da carta das Nações Unidas pelos americanos. Agora, fiquemos atentos e vamos a ver o que Trump nos reserva de mais surpresas.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.