quinta-feira, 4 de maio de 2017

A Baleia Azul


Dar um tabefe num filho é violência doméstica; pedir-lhe para ajudar a pôr a mesa ou fazer outro leve serviço doméstico – hoje em dia – é um acto de pura escravidão, que pode ser enquadrado num trauma infanto-juvenil, logo, condenável pela lei. Isto é, ‘deixai vir a mim as criancinhas’, que delas é o reino do faz de conta, e de todas as artimanhas ultra ociosas, tal como auto flagelarem-se – não a caminho do calvário – mas seguindo os preceitos da toda-poderosa ‘baleia azul’, que tudo pede e que tudo lhe é concedido, até a morte.
Esta sociedade de continuado ócio edificado, mais cedo do que muitos pessimistas pensavam, vai desaguar em putrefactas sarjetas, rumo ao abismo social e comportamental da espécie, uma vez que se julga detentora de toda a tecnologia, em que só se exige e a nada se é obrigado, julgando-se acima de qualquer contrariedade.

José Amaral

8 comentários:

  1. A TSF teve como tema de FOrum este «fenómeno» e «desafio» da Baleia Azul. Não tive oportunidade de intervir ou participar porque estava a trabalhar. Diria a Manuel Acácio que sim, estou muito preocupada com estas brincadeiras de muito mau gosto que os meus filhos , menores, já conheciam antes de mim...Foi tema de conversa à mesa um dias destes . Eles bem perceberam como nos preocupamos.

    ResponderEliminar
  2. Daniel Sampaio diz, hoje, no PÚBLICO, que "um jovem normal não adere ou, se adere, não há consequências" (sic).Mas diz também que "é perigoso nas pessoas vulneráveis pois aí pode precipitar o suicídio" (sic). Sei que "padeço" daquilo que muito boa gente me ensinou: a medicina clínica deve ser de "centro. Preocupado,como vós, prefiro a atenção redobrada sobre o desenrolar dos factos e dos cuidados que eles merecem.

    ResponderEliminar
  3. Simplificando, o que eu vejo é uma típica situação de "miolo mole", pois de que outra forma se explica que uma criatura pensante se desate a golpear...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas os que chama de "miolo mole" também existem, não é? E precisam de protecção.

      Eliminar
  4. Claro que sim, a começar por lhes dar concretos objectivos de vida...

    ResponderEliminar
  5. Não estava a falar daqueles que têm um "terreno normal" e onde tudo foi "mal plantado" mas sim dos que, sem culpa nenhuma e condicionados por défices de vária ordem, são vulneráveis aos predadores ( alguns deles sociopatas). Isto de ser pediatra, condiciona, como é natural, o meu pensar sobre assuntos desta natureza. Conheço "handicaps" subliminares que nem imagina!

    ResponderEliminar
  6. Ora aí está um aspecto da questão ao qual nem me atrevo a replicar, não só porque "o respeitinho é muito bonito" como é importante ter a noção dos limites.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.