quinta-feira, 11 de maio de 2017

Bandalheira

O lapuz deixa o carro no passeio
E vai aonde quiser à vontade
Gozando duma tal impunidade
Que deve baralhar o forasteiro…

Uma vila vaidosa do seu asseio
Com parques grátis à saciedade
Não merecia tal alarvidade
Mas abusam sem o mínimo receio…

Pedras partidas e óleo queimado
É o que fica no chão carimbado
Por irem a tudo de  carripana.

A obra feita não há muito tempo
Vê-se degradada a cada momento
Como se tudo fosse “o da Joana”.


Amândio G. Martins

2 comentários:

  1. "Pequenas" coisas que fazem o quotidiano deste país. Como o já por si falado "cócó" dos cães. Sabe, desde há muito que penso que o que faz civilizado um povo não são as "grandes empreendimentos" mas sim a prática de um quotidiano banal mas SEMPRE bem realizado. Apanhem o dito "cocó", não parem os carros nos passeios ( a verter óleo...), não cuspam para o chão, usem o "pisca pisca"... e por aí fora!

    ResponderEliminar
  2. O que neste comportamento mais me surpreende é que nesta terra não há problema de estacionamento, nem aquelas maquinetas caça níqueis em tudo que seja espaço livre, como se vê um pouco por todo o lado...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.