quinta-feira, 4 de maio de 2017

Creche a 100%


Genericamente, o País não dedica a atenção merecida à creche, enquanto instituição educativa para as crianças dos zero aos três anos, talvez por esta ser «uma realidade relativamente recente, resultante, num primeiro tempo, de alterações sociais ocorridas nas últimas décadas», sobretudo com a crescente entrada das mulheres no mundo do trabalho.
No entanto, «as crianças dos 0 aos 3 anos têm, tal como as dos 3 aos 5, o direito a um atendimento orientado, não apenas para os “cuidados” e o apoio às famílias, mas igualmente para a qualidade nas propostas educativas». Ou seja, estamos a falar de crianças que frequentam uma instituição educativa e que, por isso mesmo, têm que ter também a qualidade exigida nas propostas educativas.
A desigualdade no acesso ao sistema de ensino acontece logo nos primeiros meses de vida, sendo necessário equacionar o desenvolvimento de projetos que impeçam que tal possa acontecer. Uma sociedade de homens e mulheres livres e iguais tem que pôr em prática os mecanismos necessários, para que essa igualdade e essa liberdade sejam efetivamente reais.
É, portanto, necessário tornar real e efetivo o direito das crianças dos 0 aos 3 anos à frequência da creche, enquanto instituição educativa. Na creche, a criança “aprende” a respeitar o silêncio das outras crianças, intervém, entusiasmada, em jogos e brincadeiras, dá os primeiros passos e aprende a andar, partilha brinquedos e sorrisos, respeitando os sorrisos e os brinquedos das outras crianças, canta e dança, naquele jeito ternurento que só as crianças têm, interage com os adultos que estão integrados no seu quotidiano, habitua-se a ser tolerante e a respeitar os direitos dos outros, cultiva o direito à diferença com manifestações de carinho e afeto e desenvolve hábitos de convivência social.
Torna-se, assim, urgente ir mais longe. Assim como se tem como meta atingir a frequência do ensino pré – escolar a 100%, também se deve ter como meta atingir a frequência da creche a 100%. Só assim daremos a todas as crianças, sem excepção, o direito futuro a uma cidadania responsável e respeitadora dos direitos e liberdades dos outros.

Mário Martins
(JN, 3-5-2017)

1 comentário:

  1. Houve tempos passados muitos próximos que falar-se de CRECHE era ideia de botas-de-elástico, logo, escafedeu-se.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.