domingo, 21 de maio de 2017

Crónica dos Grandes Malandros

No preâmbulo da ‘Crónica dos Grande Malandros, Ladrões de Portugal, d’Aquém e de Além-mar’ são narradas defesas palavrosas, cheias de ênfase e de ‘santidade’, de tais bandidos de alto gabarito, que tudo roubaram e têm roubado, corromperam e sacanearam, por todos os sítios por onde passaram.
Assim, individualmente, afirmam sempre que ‘estou completamente tranquilo com a minha consciência’, que ‘nada fiz de mal para assim ser acusado’, que ‘não me lembro de nada de tudo que estou a ser acusado’, que ‘já entreguei a minha defesa aos meus melhores advogados, pois, quem não deve, não teme’.
Enfim, gente bem-nascida, de bem com a vida e a ‘vidinha’ de bem com eles, pelo que de nada devem ser acusados, pois confiam cegamente na Justiça, porque a mesma também está com eles.
Do lado de lá, da fronteira atlântica, temos a figura jurídica do ‘empachamento’, que não é de ‘Temer’ para quem ‘nada de ilícito fez’ ou tem as mãos limpas através do processo ‘Lava Jato’, afirmando solenemente ser somente vítima de ‘armações de bandidos’, apesar de já ter ‘zerado’ qualquer ou todas as hipotéticas conexões ‘criminosas’ que sobre si possam ter recaído.
Isto é, é o Zé-Povinho elevado a uma ardilosa espécie de Zé-Brasileiro, português de Braga, com diz a canção, d’Aquém e de Além-mar.

José Amaral


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.