sexta-feira, 26 de maio de 2017

CULTO

Desistam se estão a pensar que vou falar de alguma personagem com elevado grau de cultura. É mesmo o título do suplemento que o PÚBLICO traz, na edição de hoje (26/5)! Ainda pensei que fosse um daqueles encartes "pirosos mas vistosos" com que o jornal ganha dinheiro ao deixá-los vir acoplados a si, mas não, é mesmo um suplemento, com editorial (Rita Ibérico Nogueira) e crónica final assinada pelo director (David Dinis). Até aqui tudo "bem".
Só que... tudo aquilo é luxo! Desde o papel ao conteúdo. E é luxo como conceito assumido e, pior que isso, como valor  a transmitir, ou seja, didáctico. E, ainda muito pior, como se não existisse uma grande fatia do mundo onde nem um pão há para comer e se arrisca a vida para sobreviver "seja lá como for"! E tudo aquilo, mormente o tom dos textos da "Ritinha" e do "Davidinho", tente ser do mais "leve" possível pois as férias, os sapatos, os perfumes e até um tipo que tem um cliente que bebe um "Barca Velha" de 400 euros acompanhando um hamburguer ( adorei o elogio "negligé"...), é que importam e... são valiosos e até éticos, como chega a dizer um dos indivíduos que por lá aparecem. A tudo isto não falta o toque possidónio do"mood" e do "spot" que a Editora usa como um colar de pérolas que distingue e "marca a diferença".
"Começou a caça aos ricos" diria deste texto, como já disse, José Manuel Fernandes, "Publisher" do OBSRVADOR, casa mãe do PÚBLICO destes tempos. Só que os caçadores são estes "cultíssimos" senhores que deram corpo ao CULTO do dia de hoje. Até o nome é capcioso e, daí, cinicamente provocatório... É uma tristeza!

Fernando Cardoso Rodrigues

1 comentário:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.