sábado, 13 de maio de 2017

DOS 3 EFES, SALVA-SE O FADO



um batalhão de 700 polícias é destacado para conter a turba alienada. Milhares e milhares,mesmo fustigados pela chuva e pelo frio, arrastam-se até Fátima. Dos tristemente famosos 3 efes que sempre caracterizaram Portugal como um país injusto, atrasado,fatalista e resignado, salva-se apenas o fado. Evoluiu, e já não canta apenas dramalhões de faca e alguidar, a dor de corno e outras tristezas, e já é até considerado património universal por ser único e a mais genuína expressão da alma lusa. Quanto ao futebol e a Fátima, estamos conversados! Continuam a ser boias de salvação virtuais onde este povo se agarra desesperadamente para expiar o seu penar e as suas frustrações.
Guerra Junqueiro, que há mais de 100 anos nos definiu tão bem como um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, continua actualíssimo.
Francisco Ramalho
Corroios, 12 de Maio de 2016

PS – reparem que escrevi isto há 1 ano…
Mas digo que também aprecio o Papa Francisco


12 comentários:

  1. Está cá tudo:

    1 = F = FÁTIMA, 5ª f, 6ª f e sábado.

    2 = F = FUTEBOL = TODOS OS DIAS, COM MAIS persistência ao Domingo

    3 = F = CAMUFLADO O FADO = 6ª , SABADO E DOMINGO.------

    ResponderEliminar
  2. Quer maior "resignação" que repetir o seu texto de há um ano? Olhe, entretanto... Portugal ganhou o Europeu de futebol e disse adeus ás "cabazadas" que apanhava antigamente... Ou seja , o futebol também evoluiu...
    Sabe, Francisco, num homem que, politicamente, é comunista ( nunca mo disse mas também nunca o nega), pensar que os peregrinos a Fátima (que fazem parte do povo) são uma "turba alienada" e chamar (via Junqueiro) imbecil a esse mesmo povo, é muito "perturbador". Salve-se o Papa Francisco que, pelo menos, nos une na admiração ( ele é mesmo especial!), como se vê!

    ResponderEliminar
  3. Nunca fui a Fátima, a pé ou a cavalo, mas admiro todos aqueles que não se envergonham da sua fé, sem a pretensão de querer impô-la aos outros, mas também sem aceitar que os "incréus" lhes imponham a sua filosofia. E custa-me entender o azedume do senhor Ramalho contra esta gente pacífica, ao ponto de não perder nenhuma oportunidade para tentar diminuí-la...

    ResponderEliminar
  4. Começo por dar razão ao amigo Fernando por me criticar pelo facto de eu ter voltado a publicar o texto. Mas publiquei pelo seguinte; não tinha a certeza se já o tinha feito ( e na duvida, não o devia ter feito, por isso me penitencio) porque, excepto os mais recentes, confesso que não sei ver os textos mais antigos que já publiquei. Desde já agradeço ao Fernando ou a quem souber e me queira fazer o favor de dizer como é. Depois, talvez também por culpa minha, não fui bem explicito. A turba alienada a que me refiro, evidentemente que não são os peregrinos, mas sim a rapaziada das claques do futebol. Ou não é verdade? Não vão enquadrados pela polícia, qual manada de bois? Quanto ao resto, mantenho tudo o que disse. E sabe, Fernando, Guerra Junqueiro classificou-nos assim, mas depois também disse:"...um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom..." In "Pátria" página 185. quanto à minha opção político-ideológica, como deve imaginar, assumo-a plenamente; considero-me uma pessoa de esquerda, à esquerda do PS. O Fernando diz que sou comunista, e eu não me incomodo...Diz o Sr. Amândio que tenho azedume contra os peregrinos. Contra os católicos. Olhe, tenho tanto azedume, que alguns dos meus melhores amigo são católicos. Por exemplo, Frei Bento Domingues que foi meu companheiro no Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) e o irmão desse outro ilustre católico que faleceu outro dia, Carreira das Neves. O meu fraterno amigo Adelino Carreira das Neves que navega em águas social-democratas e que também me considera um comunista dos quatro costados, mas votava em mim para delegado sindical quando ambos trabalhávamos no antigo BESCL. O que me causa azedume, são os responsáveis pela parte deste povo que devido às injustiças que geram, vê o futebol e a religião como escapes, como bóias de salvação. Esses é que me casam azedume. E a vocês também. Imagino! Mandem Sempre!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Francisco Ramalho,
      Desculpe desviar-me do tema central e deter-me numa lateralidade. Se calhar, não é novo para si, mas deixe-me recordar-lhe que se passar a inserir o seu nome (ou outro sinal distintivo) nas etiquetas dos seus textos, tem a tarefa de busca muito facilitada. Um abraço e bom domingo.

      Eliminar
  5. Sabe, senhor Ramalho, eu penso que a "religião" que o senhor professa tinha tudo para dar certo, mas deslumbrou-se e enquistou-se na aridez dos conceitos e no completo desprezo pela dimensão espiritual do ser humano. Foi uma pena...

    ResponderEliminar
  6. Francisco Ramalho, repetir-se, assumir que se repete e pedir aos outros para ver se se repete ou não , dizendo ter-se repetido, para ser !algo que não joga, muito, bem!

    Rer e Reter a sua opinião é muito bom , nestes tempos que correm, mas criticar todos por não a seguirem, não parece, no mínimo, ser muto elegante.
    Mas!!!! Faz parte dos ditos tempos em que vivemos.

    Tenha um bom domingo.

    ResponderEliminar
  7. Mesmo com aspas, Senhor Amândio, eu não professo nenhuma religião. Sou agnóstico. Quanto ao segundo comentário do Sr. Augusto, é uma salgalhada tal, que sinceramente não percebo.

    ResponderEliminar
  8. Amigo Amândio, voltando à vaca fria, isto é assunto que dava pano para mangas. Mas concordo em boa parte consigo. O ser humano é muito imperfeito! Mas pode sempre, pelo menos, tentar corrigir-se. Não devemos cruzar os braços. Ainda por cima, quando o capitalismo já provou à saciedade que não é solução justa para a humanidade. Eu já sabia, mas basta o Senhor dizer que foi uma pena, para ver que também não é pessoa que se resigne.

    ResponderEliminar
  9. Bom dia Francisco. Obrigado por "perder" algum tempo comigo. Fico grato. Eu digo que você é comunista por que leio-o no que escreve mas você é que saberá. Mas também pouco importa pois, sendo-o, tem todo direito de o ser e de o dizer. Olhe, eu sou social-democrata "puro e duro", passe a redundância que devia ser desnecessária mas que, lembrando-me das siglas de alguns partidos, talvez o não seja.
    Quanto ao "turba alienada", "mea culpa", pensei que não se referia às claques futebolísticas ( a maior parte) pois aí tem razão na denominação. Sendo assim, a minha crítica vai somente para a do "povo imbecilizado".

    ResponderEliminar
  10. Quem nos dera, amigo Fernando, até a social-democracia pura e dura! Bom domingo! Um abraço!

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.