domingo, 28 de maio de 2017

INVEJA

Não vou falar teoricamente do pecado capital. Aliás, à guisa de curiosidade permitam-me que os remeta para a leitura do livro de Zuenir Ventura que trata o tema com aquele "picante brasileiro" que nos leva "ao colo" para uma interessante leitura. Falo mesmo da inveja concreta e personificada na última versão do discurso do PSD relativamente ao governo actual.
Há menos de um ano a "Cassandra passista" profetizava  a desgraça total com a "geringonça" e mantinha que o TINA era "único caminho". Nos ouvidos dos portugueses ressoavam ainda o "ir além da troika" e a acusação de que "tinham gasto além das suas possibilidades". E o rasgar unilateral de contratos em "papel passado", E tantas outras convencidas aleivosias, Entretanto o novo governo começava por repor ( não totalmente. é certo) salários e pensões e logo aí deu a "pedra de toque" da diferença ideológica e do que daí se podia retirar para confiança futura. E, como não veio o Diabo, veio a segunda versão dos que, abusivamente, ainda se dizem social-democratas. Que o PS inverteu a política e a "coisa" melhorou. Mas a melhoria não parava e ... nova versão, a de que se o "antes" não tivesse sido feito, o "depois" actual não teria vindo. Mas como a saída do défice excessivo também chegou, o que virá agora?
Não sei, mas virá alguma coisa, cada vez mais "esfarrapada", cada vez menos idónea, cada vez mais patética. O que retiro disto tudo? Que, além da incompetência como  aplicação prática duma ideologia rapace e elitista, só faltavam mesmo as actuais manifestações de impotência...Invejosa!

Fernando Cardoso Rodrigues

7 comentários:

  1. Que, além da incompetência como  aplicação prática duma ideologia rapace e elitista, só faltavam mesmo as actuais manifestações de impotência...Invejosa!

    ResponderEliminar
  2. Os meus Amigos tem muita razão, só que os erros dos nossos irmãos, humanos como nós, são os nossos erros também, porque são os erros da espécie, e isso, mesmo que a razão nos assista, não nos pode deixar felizes. Um abraço a toda esta "rapaziada" que, à sua maneira, luta por um mundo melhor.

    ResponderEliminar
  3. Amen! Ó "Padre" Joaquim Tapadinhas, esse comentário não lembraria ao "diabo"!
    Nota: Joaquim. à laia de "justificação", peço-lhe que se ria de mim!

    ResponderEliminar
  4. POr acaso não sou padre, e julgo que ser padre, desde que seja honesto e acredite, não é defeito. Se querer que nos respeitemos e percebamos os percursos vivenciais de cada um, é ser padre, então serei padre, que também quer dizer pai (amigo). Não rio de ninguém, por isso não posso atender o seu bondoso pedido, porque isso não está na minha maneira de ser, nem essa observação se coaduna com o meu comentário, de respeito pelo semelhante, que acima escrevi. É preciso muita paciência que nos dá muita reflexão. O velho abraço liofilizado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe. Realmente fui abusivo consigo, com quem não tenho a confiança e intimidade necessárias para brincar daquele modo.

      Eliminar
  5. As diatribes do "Passos perdidos" revelam os medos de animal acossado...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.