quinta-feira, 4 de maio de 2017

Natureza humana

A natureza humana não muda
Estando sempre pronta a regredir
E por muito que se julgue a progredir
Sempre sobressai a besta profunda.

E apesar de toda a impostura
Como que se ilude a travestir
Não mais se libertando de resistir
Em desfazer-se da velha armadura.

E só não vai regressar à caverna
Numa ânsia telúrica extrema
Porque está tomada pelos vícios.

Enraizada na selva urbana
Habituada a mesa e cama
Esconde a rudeza nos interstícios…


Amândio G. Martins

2 comentários:

  1. Bom dia madrugador (ou noctívago?)! Ora aqui está um soneto dum "pessimista lúcido"! Eu não sou tão dicotómico, acho sim que o ser humano é totipotente e alinho muito com Kant e a sua lei moral. Temos escolhas a fazer, talvez...

    ResponderEliminar
  2. A primeira é verdadeira. Levanto-me cedo,mas não há nisso especial coragem, já que também me deito cedo. Salto da cama com o chilrear dos primeiros pássaros e vou regar o que for preciso na horta; antes de saír para caminhar na ecovia e comprar o jornal, abro o "maquinismo" e passo para aqui o que o intelecto houver engendrado...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.