quinta-feira, 11 de maio de 2017

O Rio vazio

Para onde corre o Rio? Sempre que aparece a querer molhar-nos os pés, o Rui Rio,RR, ondula entre o nada, a banalidade, o vulgar, com teorias ocas, repetidas, fúteis, como se alguém estivesse a precisar delas como de pão para a boca. Refastelado, como se na cadeira de alguma presidência estivesse, de vez em quando, a fim de se tornar lembrado, lança umas balelas tipo slogans, umas teorias pela rama que o homem comum teceria, e sem que se saiba qual a objectividade e fins a atingir. Fala para não estar calado. Não se afasta por muito que se esforce, da demagogia, e que só encaixa na comunicação social que o repesca, porque ele foi um autarca da 2ª cidade mais importante do país, e hoje mais reivindicativa e mais dinâmica do que no passado, a que ele pertence. Trazido a curso entre margens por tais meios, expressa-se numa linguagem pretensamente técnica, mas geralmente inócua. É um personagem com quem não se pode contar. Ora avança, ora recua, ameaça e foge. É um entrincheirado no comodismo que o caminho que trilhou lhe proporciona, e à espera que o chamem, como desejado por entre o nevoeiro político, ou como solução para manhã nenhuma, que ele agora nega e a seguir ambiciona. Armado em ideólogo e com ar professoral, debita filosofia de café-concerto em horas que quer se ouçam, e leiam. Mas qual o fundamento e a finalidade, se não para marcar presença no meio de tanta água parada no seu leito manso e pouco apetecido, mesmo por navegantes dele próximos, e que pensam que enigma é alimento? E é no meio de tão pouca agitação, que eu acho que ele mete muita água, e nos molha até acima dos joelhos mais distraídos. Fazer ondas ele faz, mas nenhuma aproveitável para surfar, desde que deixou a Autarquia da cidade do Porto, que lhe deu projecção até ao mar, ali tão perto, e por onde ficou a construir castelos de areia com uma bóia à cintura, ainda sem nadador-salvador à vista, que o faça sentir-se seguro e formoso. Mas é nestas ocasiões que apetece mandar o duplo R, ir tomar banho!



* -(publicado hoje no "Destak")                                                                                                             

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.