segunda-feira, 15 de maio de 2017

SALVADOR DA PÁTRIA



Minha pátria é a língua portuguesa. Disse Fernando Pessoa. E a pátria de Pessoa, a nossa pátria, a nossa língua, tem sido tão mal tratada! Tão desprezada por tantos de nós, portugueses. Parece que até têm vergonha de a usar. Não é muito mais importante o inglês? Não lhes dá outro estatuto? Evidentemente que é importante e muito útil falar-se outros idiomas, nomeadamente o universal inglês. Mas daí a menosprezar-se, a diminuir-se a nossa língua, não será desvalorizar-se a nossa pátria? Veja-se as expressões, os nomes, que se usam em inglês!Atente-se, por exemplo, no ridículo dos concorrentes nos diversos concursos televisivos de quase todos cantarem em inglês. Os nomes de tantos conjuntos musicais (bandas, como se diz agora) em inglês. Por isso, o Salvador, salvou bastante a nossa pátria,a nossa língua. Dignificou-a, ao cantar para muitos milhões um lindíssimo poema escrito pela não menos talentosa sua irmã Luísa, na língua de Camões e de Pessoa. Afinal, na língua de quatrocentos milhões de almas.
Francisco Ramalho
Corroios, 15 de Maio de 2017

Hoje, 18/5/17 no Destak


7 comentários:

  1. O argumento do "inglês" sempre teve a ver com a tentativa de melhor penetração lá fora.Argumento comercial. Mas havia outro, que era um rematado disparate, que a nossa língua não tinha "musicalidade" ...

    ResponderEliminar
  2. Como língua universal de ciência, de comércio, entendo bem que se use o inglês. O que não entendo é que seja usado com "língua de poder"´. Estou a falar de quando ( quase sempre ) é utilizada para "afastar" os outros como "ignaros" e, daí... fora da discussão! E todos vemos o "economês" ser sinónimo disso mesmo! É intencional, é malevolamente intencional!
    Quanto à língua portuguesa... o Salvador e a Luísa disseram tudo!

    ResponderEliminar
  3. Mas não é só em Portugal que há boas músicas que mal passaram do anonimato. E bastava que tivessem tido a oportunidade de ser interpretadas por um nome sonante. O Salvador e a irmã tiveram a oportunidade do festival e venceram. Muitos "morrem" na praia. A canção francesa "Comme D´abitude, cantada por Claude François, pouca gente conhecerá, mas a versão dela cantada por Sinatra, com o título "My Way", o mundo inteiro conhece...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho ideia que "Comme d´habitude" é a versão francesa do original "My Way", é assim?

      Eliminar
  4. Tem razão, amigo Fernando. O original é francês. My way, é a versão em inglês e quem primeiro a interpretou nesta língua, foi Paul Anka.

    ResponderEliminar
  5. Há qualquer coisa que não bate certo no comentário do senhor Ramalho...
    Fui à procura na pilha de vinyl que cá tenho, há séculos sem ser tocado, e confirmo que "Comme D´abitude" é mesmo um original francês da dupla de autores G. Thibaut/J. Revaux. A gravação que possuo é de Claude François.

    ResponderEliminar
  6. Eu e o Sr. Amândio estamos a dizer a mesma coisa. O que eu disse a mais, foi que o Fernando tinha razão (ele também não fez nenhuma afirmação! Tinha uma dúvida) O original é mesmo francês: Comme d´abitude

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.