domingo, 18 de junho de 2017

“Isso é com eles”

É sempre com “eles”, nada é comigo.
O mato cresce à volta da minha casa, a entrar-me pela porta, e eu deixo crescer, “eles” que cortem.
 Dizem-me que há uma época definida para fazer queimadas, que não as faça sem avisar os bombeiros, mas não estou para isso…
-E se perder o controle do fogo ?
-“Eles” que venham apagar, é essa a sua obrigação.
E “eles” vieram apagar, mas “nunca mais chegavam e ardeu tudo”.
As obrigações são todas “deles”, eu só tenho direitos.
Se calhar é coisa de velho, mas esta passividade revolta-me; não fazemos a nossa parte e reclamamos dos outros que o façam por nós!
Se vejo lixo a incomodar-me na minha rua, por que diabo não o tiro de lá; se as ervas crescem junto ao muro que circunda a minha casa, por que raio não as corto eu?
-Ai você agora trabalha para a Junta?
-Não, trabalho para mim; sou eu quem mora aqui, não a Junta.
Mao Tsé Tung dizia que se cada chinês varresse à volta da sua casa, a China podia ser o país mais limpo do mundo…


Amândio G. Martins

1 comentário:

  1. As sociedades da hipocrisia são assim mesmo. Eu só tenho direitos, enquanto os deveres são para os outros.
    A culpa é sempre dos outros. Eu, sou só eu e o meu umbigo.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.