terça-feira, 20 de junho de 2017

O triângulo da morte


As terras de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e de Figueiró dos Vinhos foram o triângulo da morte mais tenebrosa de todas as mortes.
Um incêndio vindo do nada, que terá tido o seu epicentro nos arrabaldes da pequena aldeia de Escalos Fundeiros, transformou tudo por onde passou numa sanha dantesca de dor, morte, destruição e cinzas.
Eu, pobre e indefeso ser, contemplando a impotência do ser humano perante desígnios naturais que talvez pudessem ter sido evitados, fiquei apático, incapaz de escrever fosse o que fosse.
Esta tragédia vai fazer renascer o que deveria ter sido feito para que fosse evitada, mas, mais uma vez, não evita tantas mortes, tanta dor e tanta desgraça acumulada de uma só vez.
Que Deus – onde estavas naquela fatídica tarde? – dê paz aos mortes, dê melhoras aos hospitalizados, e que todos nós saibamos ultrapassar o que para muitos compatriotas é difícil de superar.

José Amaral

1 comentário:

  1. Publicado no jornal Público, hoje, dia 26.06.2017, na secção Cartas ao Director. Este jornal diário, continua a dar alguma atenção aos leitores que também escrevem. Parabéns à direcção do jornal, e neste caso específico, ao José Amaral, um lutador constante.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.