quarta-feira, 28 de junho de 2017

Poemeto a VILA SECA



Nenhum texto alternativo automático disponível.


Poemeto a VILA SECA
(ontem, hoje e sempre)

Agora, outros a olham
Sem a boca ficar seca
E a Deus só imploram
Continuar em Vila Seca.

Já outros muito a viram
Com mágoas de fonte seca
E com lágrimas se despediram
Das terras de Vila Seca.

Foi casa de nossos avós,
Hoje cá já não estão;
Se agora estamos nós,
Outros após nós virão.

JA

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.