segunda-feira, 19 de junho de 2017

Tragédia diabólica

- A preto e branco, Portugal está retratado em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. Ali tudo se fez cinza e desespero infernal. Amanhã, o cheiro da morte provocado pelo fogo assassino, continuará a entrar em casa de todos nós. A nossa dimensão é a da impotência diante de fenómenos diabólicos, mas que a mão do Homem podia intervir para ajudar a atenuar. Porém o Homem, teme pela sua vida e foge, achando a desgraça e o fim logo na estrada cega, com destino trágico. A mão de Deus não se fez sentir. Hoje só as lágrimas e as chagas, crepitam nos corações que choram, e onde a dor é imensa. Um sangue seco gritou e ninguém escutou. Agora, é hora de união. Hoje é tempo de solidariedade e reflexão. Pedrógão é uma terra entre outras, que nunca mais voltará a ser tão Grande, como outrora. Oremos!

5 comentários:

  1. Muito bem Joaquim, muito bem! Assino por baixo e... grato pela sua sensibilidade de escrita!

    ResponderEliminar
  2. Amigo Joaquim A. Moura, como sempre um texto muito bem elaborado...não tenho mais palavras, está tudo aí.
    Aquele abraço fraternal do,
    Mário Jesus

    ResponderEliminar
  3. Oremos a quem? ao "Deus cuja mão não se fez sentir?"

    ResponderEliminar
  4. Uma análise muito sentida do amigo Joaquim. Todos, com certeza, o acompanhamos. Foi horrendo. Ninguém merecia aquilo, a começar por aqueles nossos simples e dignos compatriotas. Paz eterna às suas almas.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.