terça-feira, 11 de julho de 2017

A competitividade do nosso descontentamento


Ferraz da Costa, antigo presidente da CIP, diz, sem se rir, que “sair do lixo não chega, é preciso acompanhar o rating da Espanha”. Se lá chegássemos (com este Governo...), repetiria que não basta, o que seria preciso então era acompanhar o rating da Alemanha. E por aí acima, até à Lua, enquanto o Governo não mudasse. Se o presidente do Forum para a Competitividade não fosse tão competitivo, quem o seria?

2 comentários:

  1. Tal e qual! Isto não é partidário... é mesmo ideológico... ou "ideológico...

    ResponderEliminar
  2. Desde que foi presidente da CIP, já lá vai uma porrada de anos,que conheço as sentenças deste oráculo. Mas não me recordo de alguma vez o ter ouvido explicar a razão por que essa velha pecha da nossa economia - a decantada baixa produtividade - nunca afectou os vencimentos e mordomias verdadeiramente obscenos que ele e a sua clique de génios empresariais sempre usufruíram; só afecta os trabalhadores, que são os verdadeiros produtores da riqueza das nações!

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.