quarta-feira, 12 de julho de 2017

Gira a bola

Uns quantos membros do governo em exercício de funções, foram à bola em 2016, para assistir em França, a terra de Sartre, o autor do “As Mãos Sujas”, e de monsieur Miterrand, autor na clandestinidade de filha socialista, dita ilegítima, para dar apoio à nossa representação de gabarito no futebol internacional. Todos vestiram a preceito e de acordo com o acontecimento desportivo. Boné e cachecol a luzir as cores nacionais. Nos pés calçado leve e ligeiro, como pede a disciplina. Imaginamos. Por detrás deste conforto, uma petrolífera em dívida fiscal gigante para com o Estado aonde ela se move, puxada a combustível e energia alternativa, que enegrecem os bolsos dos portugueses pagantes de multi-luxos. A juntar a este “patrocínio galpista”, viagens, bilhetes assegurados, e refeições. Tudo para apaziguar estômagos, animar âmagos, e amaciar fortes emoções. O corridinho portou-se bem até à vitória final. As cores nacionais subiram ao pódio central, e os secretários de Estado regressaram felizes após o superior desfecho na contenda do Campeonato Europeu daquele ano. O pior veio depois. O comportamento dos políticos em prova no governo actual, que no Europeu de Futebol marcaram presença , não foi muito aplaudido e bem apreciado. Surgiram as reprovações, os apupos, a contestação e a constatação de prática que pode integrar crimes de recebimento indevido de vantagem. Incompatibilidades com a transparência exigida a quem desempenha cargos públicos e está sujeito a regras de conduta exemplar, e sem vestígios de benefícios proibidos. Agora esta equipa de secretários, demitiu-se quando lhes sopraram que iam ser constituídos arguidos pelo Ministério Público. A petrolífera espreita, desacelera, e queima tempo. Aguarda que a Justiça a alcance. O governo após assobiar o que pode e na direcção mais a jeito, também faz por mostrar que anda. Apaga os fogos à velocidade que a energia que sobra o permita. O combustível tem aditivo quanto baste. A oposição partidária carrega no acelerador, e aproveita estas saídas de pista da improvável estabilidade da geringonça. Perfilam-se mais obstáculos. As fileiras parecem ceder. Porém todos nos lembramos que no passado recente, o país fez jogos muito piores e com péssimos resultados provocados pelos que agora pedem demissões a torto e a direito. Quase ninguém está disposto a repetir tais resultados. Por isso este governo pode continuar a dirigir os negócios vários, polémicos, e a gerir a vida da nação valente mas chamuscada, e a cheirar a pólvora roubada pela calada, por dentro da rede e longe da ronda. O presidente fotogénico e do postal ilustrado, não deixará que tal nos desfoque, ou nos ofusque demais. Ele é o bombeiro de dia e para todo o serviço. O que é preciso é dar gás aos governantes e à oposição. Viva o pontapé em meia bola demagógica, e força em tal política assombrada. Até que o video-árbitro se pronuncie sobre as legalidades ou não, em tais jogadas, nós estamos cá para bater palmas e sacudir a bandeira!


*-(publicado hoje em "DESTAK e no PÚBLICO, abreviado/truncado)





Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.