segunda-feira, 3 de julho de 2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, FLORESTAS E DESENVOLVIMENTO RURAL

Os troca-tintas da politica já nos habituaram a tudo, mas nem tudo lhes fica bem!

E é muito curioso ver a “autoridade moral” com que a ex-ministra da agricultura (com um visual visivelmente melhorado – o que parece ser apanágio dos lideres do CDS) vem exigir a demissão de ministros de António Costa no caso do roubo de material militar. 

E essa “autoridade moral” também se observou, como abutres, no incêndio de Pedrogão que ceifou tantas vidas e deixou muitas mais num sofrimento dificilmente ultrapassável.

Acaso esqueceu que como ministra que foi,  da agricultura, também tem responsabilidades no acontecido?

9 comentários:

  1. Esta gente insiste em tomar-nos a todos por parvos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. D.Fátima Rodrigues. Li e discordo. Todos os partidos quando não estão a governar procedem da mesma forma.
      Dizem mal dos que lá estão e apontam falhas dizendo como se devia fazer para melhorar a situação. Por isso, quando vão a votos e ganham é porque os eleitores querem que as "coisas" melhorem. Mas, já são passados quase dois anos e vêm desculpar-se dizendo que está tudo como o anterior governo deixou ? Então não era para melhorar o que estava mal ? Temos de ver as coisas como elas são e deixar-mo-nos de clubismos. São empossados como ministros. Assumem as responsabilidades do cargo daí para a frente !
      Eu se comprar uma casa e o inquilino anterior tiver deixado os barrotes do telhado podres com perigo de derrocada, eu, para entrar, a 1ª coisa que faria era mandar arranjar os barrotes podres. E não tenho obrigação ( como particular ) de dar satisfação ( a eleitores ) caso houvesse roubo. Sobre Pedrogão bastava fazer cumprir a Lei que existe. Distância de 10 m - para cada lado da estrada. O fumo já não se concentrava naquele túnel enorme e as pessoas podiam conduzir vendo para onde iam sem bater uns nos outros dando no que deu. Este é o meu ponto de vista. Cumprimentos

      Eliminar
    2. Caro senhor Sousa Machado,
      é seu direito discordar, mas talvez não discorde se eu disser que no universo politico nacional e até internacional, talvez só 10% estarão por amor à camisola (se calhar sou uma optimista). Os outros 90%, olhe, como qualquer artista, fazem carreira! E que belas carreiras alguns fazem, sem fazerem quase nada. Tem dúvidas? Eu não!
      Assim só nos basta “botar fé” nos esforçados 10%. Mas como esses, na grande maioria estão no rodapé da politica, temos que acender muitas velinhas a fim de não esmorecerem na sua vontade de levar este país às costas.
      Em contraposição com o tamanho do país, a demagogia e a corrupção é grande e aparentemente ainda há muito para roubar.
      Fique bem

      Eliminar
  2. Confrade Fátima Rodrigues, eu concordo com o que escreveu. Parece que ninguém defende o País; só defendem a pele atacando os opositores. Deve ser também do calor que lhes dá cabo das mioleiras.

    ResponderEliminar
  3. Uma coisa é fazer a análise do que se passa na intervenção político/partidária do país, outra é concordar com o que se está a passar nessa acção. É preciso não confundir, porque o médico que detecta o cancro, não é de certeza um defensor dessa trégica enfermidade.

    ResponderEliminar
  4. O que a D. Cristas fez pela floresta, em quatro anos e meio de ministra da Agricultura, foi liberalizar a plantação de eucaliptos. Pretender que um Governo que está ao serviço há pouco mais de ano e meio já tivesse resolvido tão velho problema, enfim, valha-nos Santa Rosinha de Viterbo!

    ResponderEliminar
  5. O problema maior não são os eucaliptos, são os espaços que devem ser mantidos entre os diversos lotes e as distâncias entre estes e os caminhos públicos (estradas), assim como a limpeza das matas, e esta irresponsabilidade tem dezenas de anos. É preciso meter mãos à obra e deixar-se de passa-culpas. O resto são apenas pormenores para distracção do pagode.

    ResponderEliminar
  6. Seja com esta ex-ministra, ou com o mais recente ex-primeiro-ministro, ou outros ex-coisa-e-tal, penso que o o que acontece é assumirem que no seu mandato fez todo o que lhe foi possível pelo melhor. Portanto, se algo de errado aconteceu agora, só pode ser responsabilidade do atual detentor do cargo. Uns fá-lo-ão de boa fé, outros nem tanto.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.