quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A negociata em chamas

Há males que vêm por bem. Não obstante as tragédias acontecerem e dar-se-lhes enterro logo após os lamentos, é vulgar o aparecimento do aproveitamento das desgraças, e fazer melhor condição de vida à custa do que já não tem remédio e por isso remediado está. O choradinho acabará por provar que quem não chora não mama, e entre nós, gente de lágrima fácil, hipócrita e cínica quando convém, resulta, apresentar facturas extrapoladas por perdas que tiveram lugar e são escombro, e sobre bens que nunca existiram. Agora, que as labaredas amansaram e até foram extintas, vão surgir reivindicações de indemnizações por casebres abandonados e destinados a redis ou que serviam para guardar tralhas sem préstimo, até mesmo vazias como se via pela TV, e que de repente foram habitações com almas dentro, vivendas ao sol, casas senhoriais, solares, todas recheadas de mobiliário antigo, relógios de parede com horas certas e conservadas, equipadas outras com o mais sofisticado e último grito tecnológico. Maquinaria que era ferro-velho, abandonado, e que não passava de ferrugem amontoado a um canto, será apontado na lista de artigos a apresentar como indispensáveis, e que devem ser compensados por quem vai ter a tarefa de indemnizar a qualquer preço. Gado que não pastava nem balia, nem zurrava, feito torresmos. Terrenos que estavam a mato e a monte, serão definidos como verdejantes quintas, belos pomares, que davam frutos saborosos, paradisíacos, e que agora por via dos incêndios malditos e assassinos, surgem carvões, cinzas, e murchos sem utilidade para consumo próprio e muito menos para colocação no mercado. Prejuízos enormes vão ser declarados para fazer abrir os cordões à bolsa por quem governa, e desbloquear as verbas das quais há pressa, umas doadas pela fraternidade e solidariedade do bom povo, outras as que hão de completar o montante necessário a satisfazer as vítimas e as oposições partidárias. O negócio está em marcha e a arder. Alguns e alguém, acabarão melhor do que estavam, na véspera, de tais vespeiros levantados pelas línguas de fogo infernais que assolaram, vilas e aldeias, deixando rasto de prejuízos com sacrifícios suportados em cima das feridas, mas também oportunamente aproveitados, como se verá, por quem saberá fazer negócio por entre a maré e o braseiro ruidoso e trauliteiro, que se vive entre autarcas, corporações, e partidos políticos, à espreita para entalar o governo da nação, e sacarem o mais que puderem. A democracia também é a arte do vale tudo. A vilanagem sabe como actuar, mesmo se os cadáveres ainda andarem a ser contados!


1 comentário:

  1. É claro que todos/as lamentamos as vidas perdidas. Primeiro, evidentemente, as humanas. Mas também as dos ditos irracionais e até as vegetais. Depois, há também os aproveitamentos que o amigo Joaquim no seu estilo inconfundível e que tanto prazer nos dá ( a mim dá!) ler. Grandes desgraças. Pequenas sacanices.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.