sábado, 5 de agosto de 2017

De dois notáveis ateus

Bertolt Brecht – dramaturgo marxista alemão.
“Contaram-me que em Nova Iorque,
na esquina da rua vinte e seis com a Broadway
nos meses de Inverno, há um homem todas as noites
que, suplicando aos transeuntes,
procura um refúgio para os desamparados que ali se reunem.
Não é assim que se muda o mundo,
as relações entre os seres humanos não se tornam melhores.
Não é este o modo de encurtar a era da exploração.
No entanto, alguns seres humanos têm cama por uma noite.
Durante toda uma noite estão resguardados do vento
e a neve que lhes estava destinada cai na rua.
Não abandones o livro que to diz, homem.
Alguns seres humanos têm cama por uma noite,
durante toda uma noite estão resguardados do vento
e a neve que lhes estava destinada cai na rua.
Mas não é assim que se muda o mundo,
as relações entre os seres humanos não se tornam melhores.
Não é este o modo de encurtar a era da exploração”.

De Fernando Savater – filósofo espanhol.
Em “Os Dez Mandamentos do Século XXI”.
“A quem rouba pouco chamam-lhe gatuno e metem-no na cadeia; pelo contrário, a quem o faz em grande escala chamam-lhe grande financeiro e recebe todo o tipo de elogios e felicitações pelo seu espírito empreendedor”.

Amândio G. Martins


3 comentários:

  1. Que alegria, Amândio, que alegria! Reler Fernando Savater (FS) e, ainda por cima num texto magnífico, é um encanto!
    Vou confessar uma coisa: saberá bem que tenho alguma "aversão" a gurus e oráculos mas, como toda a gente, existe em mim um encanto muito especial por algumas pessoas e uma dessas, poucas, é Fernando Savater, filósofo(acho que ele gosta mais de professor de...), ateu, "voltairiano", pedagogo, homem corajoso (lembram-se da ETA?...) e... homem de humor fino e cáustico. E ainda, "fino como o Alho" e "feio como a noite"!
    Uma pequena história de homenagem a ele (e agradecimento a si, Amândio: anti-franquista de gema, um dia, ao chegar de Paris e pouco tempo depois da morte de Carrero Blanco, esperava-o a polícia política para "investigar", perguntando-lhe se estava envolvido naquela morte e na de 12 (?) guardas civis. Respondeu que não , por uma razão bem simples: matar guardas civis e comer croquetes, ele só o fazia... em número ímpar!

    Nota:Voltarei um dia destes, com um texto meu sobre uma historieta onde entro eu, o ilustríssimo FS e... outra gente.

    ResponderEliminar
  2. Os grandes pensadores são lenitivo indispensável para podermos enfrentar os predadores...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso e, se calhar, muito mais. No caso de FS é como um esplendor de alegria empática que será, como o amor, uma das "definições" de felicidade. Pelo menos de profundo bem estar, é-o com certeza!

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.