sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O Admirável Mundo Novo

Às vezes apetece-me ficar "bovinamente a pastar" quando me deparo com notícias que me alertam o pensar que dói. Mas logo me levanto pois sei que o nosso destino é viver neste mundo que se move e, inapelavelmente,  nós nele, quer queiramos quer não. E, com a minha profissão, é mesmo  meu dever, senão ainda continuaria nas "cavernas", a tratar "úlceras nervosas" do duodeno quando hoje estas são consideradas uma infecção por "Helicobter pylori" e são medicadas com.... antibióticos!
Vem isto a propósito de duas notícias científicas vidas no PÚBLICO ( estes artigos do jornal são magníficos e quase contemporâneos da publicação nas revistas da área específica). Ambas envolvem a técnica genética do CRISPR que, no fundo, é uma técnica de "corta e cola" no ADN dos variados seres vivos, alterando o devir dos seus descendentes. Num caso alterou-se o genoma (ADN) e assim vai deixar de haver uma doença cardíaca hereditária. No outro (de hoje) fica-se a saber como se pode tornar as formigas "anti-sociais", retirando-lhes a capacidade de alinhamento e organização que tão bem conhecemos.
Aqui chegados, vem a tal "dor de pensar" e ... a alegria de viver. Se, no primeiro caso, todos ficaremos imediatamente contentes por evitar doenças nas pessoas, no segundo, o das formigas, já haverá mais discussão. Isto porque, como dizem os autores, poderá abrir caminho de condicionar o autismo, esquizofrenia e depressão, mas ... poderá (?) levar também a desorganização social humana, perfidamente conduzida. A ciência precede a política e isso pode não nos tranquilizar ou... ajudar! Venha o "diabo" ou Deus ou o Homen e... escolha.

Nota: Este escrito, como é óbvio, é um pensar meu e portanto estará cheio de incorrecções científicas.Para além de se uma elocubração "filosófica".Mas nisso cá estarão os senhores para me "darem no toutiço".

Fernando Cardoso Rodrigues

5 comentários:

  1. Desta vez, não lhe dou no "toutiço". E quando lhe dou, não terei sempre razão. Desta vez, aliás, mais uma vez, digo-lhe que gostei muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei que gostasse. Espero que não ache pretensioso eu perguntar se também não o é pensar de si próprio que alguma vez "me deu no toutiço"?

      Eliminar
    2. Interpreto o "dar no toutiço", como discordar, e isso é normal.Não é nada pretensioso. Acho eu!

      Eliminar
  2. UM prazer ler este texto. Obrigada, Fernando!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, Céu! Como imaginará, vindo de si, fico contentíssimo, senão "vaidoso" mesmo!

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.