quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Sou católico, mas não praticante

Todos nós já ouvimos, ou até dissemos que ‘sou católico, mas não praticante’, que se resume em sermos tudo e não sermos nada. Ou, melhor dizendo, que podemos puxar a nosso favor os ‘nossos’ indevidos direitos, mas descartando os presumíveis deveres inerentes a esses apregoados direitos.
Assim, poder-se-á afirmar que ‘sou incorrupto’ ou 'antiterrorista’, mas omitindo ‘não praticante’. Ou, sou tudo isso que dizem de mim, mas, contudo, não pratico nada disso que de mim negativamente falam.
Mas, sobre o título acima epigrafado, confesso que ouvi de um padre, ainda jovem, esta sábia afirmação: ‘ser católico sem ser praticante é como ser ciclista e não andar de bicicleta'.

José Amaral

2 comentários:

  1. Totalmente de acordo! Vou mais longe, é como "reservar um lugar num concerto sem ter a certeza que se vai e depois... logo se vê"! Se houver conveniência...

    ResponderEliminar
  2. Meu Caro e respeitável Amigo José Amaral, por acaso ouvi e vi, aquando de o Jornal das 8 da noite da TVI, e já foi o segundo dia de reportagem, acerca desse padre em questão, que agora não me lembro o nome, precisamente a mesma frase que passo a citar..."ser católico sem ser praticante é como ser ciclista e não andar de bicicleta"
    Aquele abraço fraternal do,
    Mário Jesus

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.