quarta-feira, 25 de abril de 2018

O dia de São Nunca


Teodora Cardoso impinge-nos a crença de que a austeridade não se deve exercer só nos períodos de grandes dificuldades, mas também nos anos anteriores, quando há expansão. Nuno Magalhães acha que, enquanto houver cortes nos sectores da Saúde, Educação, Segurança e Transportes, não há condições para aumentar os salários da Função Pública. Nunca falta quem, a propósito de tudo ou de nada, venha avisar que só se pode distribuir aquilo que, antes, se produziu.

O diapasão é conhecido e afina sempre pela tónica de penalizar quem dispõe de rendimentos limitados, seja na função pública, seja na privada, como as berrarias que sempre se ouvem sobre os aumentos do salário mínimo nacional que, ai Jesus!, vão arruinar a economia e o emprego. Os argumentos são tão sedutores, pela “prudência da sabedoria”, quanto demagógicos, pela desfaçatez atrevida. A austeridade para alguns, sempre os mesmos, devia ser o paradigma nacional perene, haja ou não haja recursos suficientes, estejamos em crescimento ou chafurdemos na recessão. Será nosso dever esperar, com santa paciência, pela ocasião certa que, quando chega, passa a ser outra qualquer num futuro mais radioso?

P.S. – Sem o 25 de Abril, eu poderia publicar este post e continuar tranquilo?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.