quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Já esgotámos os recursos do Planeta...

A humanidade vive a crédito a partir deste mês de Agosto. Consumimos o total dos recursos que a natureza colocou à nossa disposição. A Organização Conservacionista Internacional é taxativa: Precisaríamos de 1,7 Planetas Terra para satisfazer as nossas necessidades.
   Há quem queira enriquecer até ao limite, explorando gananciosamente os recursos, sem freio.
Sociedades com um per capita elevado, como o Luxemburgo e Qatar, já entraram em ‘bancarrota’, nos seus recursos renováveis, em Fevereiro! No Ocidente e na América do Norte, estima-se em 30% os alimentos que são postos no lixo! Um crime contra a Mãe Terra!, um inqualificável desperdício e uma afronta aos milhões de famintos que grassam no mundo.
   Parte significativa da produção alimentar exige quantidades astronómicas de água - recurso finito. Hoje temos a mesma quantidade, como aquela de há 2 000 anos e a população cresceu exponencialmente… Enfrentamos uma realidade muito preocupante.
   Enquanto não houver uma alteração da nova ordem mundial, com um negacionista líder do país mais poderoso do mundo, será difícil reverter esta situação perigosíssima! Porém, também
está na nossa mão, tudo fazer para mudarmos de hábitos e consumirmos o estritamente necessário, além do dever de poupar água.
   Quem vier atrás não apaga a luz, pois dela precisam filhos, netos e descendência…
   Afinal, só temos o Planeta Terra!

               Vítor Colaço Santos
 

1 comentário:

  1. Esta é, provavelmente, a notícia mais perturbante de todas! A humanidade a viver a crédito! A crédito de quem? Uma pessoa ou um país poderá, embora não deva, fazê-lo, agora... a humanidade! A crédito de si própria que, no entanto, é ela mesma a devedora... O abismo, este sim, está aguardar e não se vê forma...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.