domingo, 13 de agosto de 2017

TEATROS DE MARIONETAS






Fios, presos por finos fios. Marionetas. Numa aldeia perto de si.
Não fosse haver um manipulador de marionetas, eram inoperantes, disfuncionais, tíbios, a pedirem para nem se lembrarem das suas actuações, que só actuam por obrigação.
O mestre, sim, um exímio manipulador de fantoches, ventríloquo e tudo.
Mas não era isso que o povo pedia nos terreiros forrados a cinzas. O povo queria ver um espectáculo vivo, bom. Depois de uma vida a assistir a teatros de marionetas, o povo pedia actores de carne e osso.
O povo sonhava – imprudência não desculpável - que um dia o teatro seria real.
Não aconteceu, ainda não foram as festas deste ano. Não há verba suficiente para o povo ter um espectáculo verdadeiro, só para pagar a actuação dos artistas pimba, os que estão sempre disponíveis.
Este junho nunca mais acaba e eles já nem vão às festas, estão na praia, com os olhos cheios de água*, os mestres das marionetas.
Quem são os fantoches afinal?


*obrigado Mónica!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.