quarta-feira, 2 de agosto de 2017

FLUTUANDO

Tem dias que me sinto frágil
como uma borboleta de asas de vidro.
Meio zonza,
rodopio no efémero esplendor
de um pas de deux solitário.
Com a brisa como aliada,
trauteio as notas de um qualquer Nocturno,
e protejo o estilhaçar das asas com o aconchego de um amanhecer,
que imagino suave como pele
de criança recém nascida.
Nesses dias,
quando o sal dos olhos teima em sulcar a pele,
invento um casulo,
macio,
aveludado,
aroma de alfazema,
matizado de brisa e aurora boreal.
E com estas roupagens,
que só eu vejo,
que só eu sinto…
ensaio um sorriso e construo a magia de ser feliz,
mesmo que esteja só…no meio da multidão.
© Graça Costa

10 comentários:

  1. Valha-nos a beleza da poesia para amenizar os pobres tempos em que a sociedade está mergulhada. Obrigado à Graça, pelos momentos que nos oferece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata pelo feedback. São sempre importantes, mas agora que o "livro " esta a marinar :), são um incentivo suplementar mais importante do que possam imaginar. Obrigada de coração.

      Eliminar
  2. Obrigado lhe fico eu também; é lindo lindo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata pela atenção e pela generosidade.

      Eliminar
  3. No meu comentário (tardio) que, talvez por isso, a Graça provavelmente não leu, disse que é uma grande poetisa. E sem se armar, sem se pôr em bicos-de-pés. Parabéns, Graça, por essa sua postura, e pelos belíssimos poemas que nos oferece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata pelo feedback. São sempre importantes, mas agora que o "livro " esta a marinar :), são um incentivo suplementar mais importante do que possam imaginar. Obrigada de coração.

      Eliminar
  4. No meu comentário tardio ao seu penúltimo poema...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bom dia de novo - eu vi o seu generoso comentário ao meu poema anterior e respondi, obviamente. Com gratidão e um enorme bem haja . Muito obrigada

      Eliminar
  5. Graça Costa, é raro eu fazer qualquer comentário, seja de quem for, pois muitas das vezes só se alimentam mal estar. Mas deixe-me com toda a sinceridade dar-lhe os meus parabéns, por esta linda poesia. Não sou capaz, confesso sem vergonha, que não sou capaz de fazer, nem melhor, nem igual.
    Permita-me com todo o respeito de enviar-lhe, aquele abraço fraternal do,
    Mário Jesus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fico imensamente grata pela sua generosidade. Um enorme bem haja e obrigada pela disponibilidade de ler e pelo carinho do comentário.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.