quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Fora de Jogo

Corre por aí um esforço imenso, desde o varredor de lixo público até aos meios de comunicação em modo compacto, passando pelos sempre prontos para selfis, os representantes do país político, para branquear a mega fuga-fraude ao fisco(3F), levada a cabo por um atleta de gabarito, a jogar pelo mundo fora, e com nome no ar da ilha aonde nasceu. Coisa que nem todos encaixam, já que um nome assim, não dignifica o espaço que ocupa e o mapa de navegação da decência que se exige. Mas a leviandade com que se exerce o poder entre nós, dá nisto. Se fosse outro que tivesse praticado idêntico crime, e até se chamasse Vale e Azevedo ou Isaltino Morais, por exemplo, iria dar ao mesmo, mas já não tinha préstimo para uma foto mil vezes repetida, e muito menos para ser nome a ostentar no alto de um aeroporto, como se da maior flor do mundo e mais cheirosa, se tratasse. Nem Marcelo se colaria a tais cenas com personagens sem ou pior prestígio, nem os donos da ilha mais formosa, se reviam em jogadas com rasteiras à socapa. Marcelo, o senhor Sousa, como um dia dirá quem eu cá sei, deve já ter alinhavado uma desculpa discursiva, para qualquer pergunta mais incómoda que lhe venham a colocar no momento em que a angústia apita, e seja motivo de lhe mostrarem o cartão laranja, por tanto desejar acompanhar e realçar, ao jeito do fala-barato, exemplos iguais aos que agora pisam os caminhos da Justiça, por terem andado em gozo com os 3F. Na ilha também não se percebe, o gozo que dá ao povo maravilhoso e festivo, quando estendem o olhar até ao alto do aeroporto de stª Catarina, aonde ainda abana o nome conspurcado, de figurão, sem obra intelectual de relevo nas artes e nas ciências, que lhe desse estatuto de, figura, ou personagem marcante no universo da inteligência humana sempre à descoberta, do útil para a vida colectiva, e como é provável existir nela, nessa Madeira nascido. Por que raio, sina, fado, ou carga d´água, teremos que ser sempre os melhores em tudo quanto é mau, e nos tornam medíocres teimosos, na fotografia desfocada e pretensiosa? Não bastam só as tragédias naturais e outras levianas sem comando, que nos acontecem, e que juntas, nos fazem cair no ridículo?


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.