sábado, 5 de agosto de 2017

Investir...

Dou imensa importância à linguagem. O léxico com que nos exprimimos, trai toda  a nossa concepção de vida, Cultural, política, societal e por aí fora. Claro que uns têm noção disso e outros, em bem maior número, não, mas que "o que vai na cabecinha, vem na linguagem", mesmo que inconscientemente, isso ninguém mo tira facilmente do pensamento.
Vem isto a propósito de um "diálogo de autocarro" que ouvi ontem, quando vinha da "baixa". Não vi os rostos das senhoras mas, pelo tom de voz e pronúncia abertamente nortenha, imaginei-as vulgares pessoas, amigas e voltando do trabalho. Mais ou menos assim:
- ... a minha filha tem 36 anos mas disse-me que...
-Ai sim?
- É como te digo, o melhor investimento que podemos fazer é nos filhos...
- Às vezes não...
- Sim ás vezes assim é mas, a investir, é neles..
- Talvez renhas razão.
                     Saí e nem para trás olhei. Interessou-me mais o diálogo que as faces que o tiveram. Mas, ao entrar em casa, ia pensando: investir nos filhos? Sei que o entendimento da senhora era emocional mas... a "palavra"? E vieram-me à cabeça outras similares como "capital humano"e recursos humanos". A economia ( uma economia?) a entrar no nosso coração e (como se diz agora)... a "formatar-nos"...  Foi no 501 que vai para a praia...

Fernando Cardoso Rodrigues

1 comentário:

  1. Ocorre-me A. Pedro Ribeiro... Está tudo mercantilizado, a começar logo nas mentes!

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.