sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A CGD, O BCE E ADMINISTRADORES NÃO QUERIDOS

Depois de tudo o que se disse (e não se disse) sobre a CGD, entidade que o actual executivo não quer, e bem, deixar cair fora da esfera pública, eis que, pela mão do BCE, mais uma vez António Costa e o seu governo é chamado a exercitar as suas capacidades na resolução de problemas.
De facto, com a não aprovação de dois administradores por parte do BCE, afigura-se mais um problema: pagamento de indemnizações milionárias ou recolocação.
O que a mim me faz espécie, talvez seja ignorância minha - o que admito sem reticências, é que Tiago Ravara Marques e Pedro Leitão faziam parte da equipa liderada por António Domingues, e, que eu saiba, os seus nomes não tinham sido vetados até à data.
Supondo eu que os referidos Senhores tinham competência para funcionarem com Domingues, terão igualmente com Paulo Macedo.
Daí o meu espanto com a perda repentina das qualidades destes senhores administradores, e que, caso sejam indemnizados, ficarão mais confortavelmente milionários, porque sim (a pedido do BCE).
Quando nos deixarâo governar (bem) a nossa casa?

27/1/2017
Barros Correia

1 comentário:

  1. Eu sei que as equipas homogéneas podem ser importantes mas Barros Correia tem razão na medida em que António Costa foi que disse que António Domingues e "os seus homens" eram ÚNICOS no saber e daí justificassem qualquer ordenado, fosse ele qual fosse...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.