sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Princípios para quê?


Sempre houve gente que, perante os factos da vida, nunca tem dúvidas e, com todas as certezas deste mundo, sabe o que fazer perante um determinado estímulo. É mais ou menos o raciocínio simples de que a uma causa só pode suceder um único efeito. Pode ser que a coisa resulte na Física mas, nas relações humanas, não é bem assim, e não é por haver tantos espíritos simplistas que o mundo anda tão torto. O problema é darmo-nos conta de que algum deles pode chegar a presidente dos Estados Unidos. O sr. Trump é um desses simplistas: a globalização é má, fecham-se as fronteiras; o Obamacare não lhe interessa, acaba-se com ele; o aquecimento global atrapalha os negócios dele ou dos amigos, decreta-se que não existe e que é uma invenção chinesa; os imigrantes e os refugiados são incómodos, expulsam-se e repelem-se. A mais recente, contudo, é arrepiante: se a tortura funciona, por que há-de ser proibida? Se é útil, pois que se use. Princípios? Livra!

Público - 28.01.2017 (quase na íntegra)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.