terça-feira, 31 de janeiro de 2017

JN - "O construtor de muros"

Os redactores do Jornal de Notícias, também apelidados de jornalistas, não são a classe que mais fome passa, e o que ganham, até ainda dá para botar uma roupinha, camisa e gravata, com sapato conservado, blusa e maleta com fecho dourado. Sapatos, que com um pouco de graxa ainda disfarçam como novos e dão para estar presentes em Congressos sobre o futuro da profissão que eles julgam dominar. Mas têm o seu feitio tais membros lobistas, e isso é coisa explicável só por peritos em traumatismos e coisas suspeitas em critérios de acção redactoriais e de obediência a editoriais. São tipos sobretudo de raivas, e de ódios, se alguém mais atrevido lhes aparece com uma escrita que os devore, os encolha ou menorize, e não lhes dê a outra graxa que faz dobrar uns Homens diante de outros. Constituem uma redacção, com raras excepções -(aí dentro dessa redacção "voam "crónicas saídas de "penas"que eu adoro!) formada por gente que apanha de ponta quem os confronta, quem usa a pena da escrita para dizer do modo que escreve, o que pensa da Vida colectiva, ou da sociedade que nos ronda a porta. São uma espécie de andrades que nos mandam para o camões à mínima ousadia de lhes não agradar. Querem-nos dentro do esquema que traçam, do sistema que tecem, que cultivam em cima das secretárias de pau envernizado, salvo aquelas em que o lápis azul e a guihotina deslizou, e riscou o tampo e a folha da carta que lá deu entrada. É o meu caso por certo. Aquilo que eu escrevo, ocupa pouco, mas o jornal é pequeno demais para a divulgar no espaço público, destinado ao leitor, se ele não for um incómodo. Talvez eu seja um ingrato, e me tenha esquecido de lhes agradecer, dobrar a cabeça, por todas as já publicadas desde há muitos anos. É provável que sim. Mas um tipo como eu, sem formação superior, avalizada por qualquer membro "bolonhês" do JN, e nunca submetida a análise pelo mestre Viale Moutinho, escritor/jornalista e funchalense mais idoso do que eu, que o conheço das viagens de comboio da linha do Douro, me valham para ultrapassar as dificuldades de fazer acreditar os membros do JN, de que eu sou também um mestre no uso da escrita e melhor ainda no uso da língua, mas que nem sempre bem apreciada pelo veneno que dela escorre. Puseram-me de castigo, os mandantes responsáveis pela avaliação dos meus trabalhos, e atiraram-me para o caixote dos jornais com artigos sem préstimo, ou a caminho da inutilidade, e pior, do encerramento. Vou abreviar, que é coisa que o JN nos pede, Que sejamos sintéticos e menos duros, do que os "construtores de muros" de que hoje nos fala a Paula Ferreira, na págª. destinada aos da casa, que é lugar, de especialização do uso da descriminação, e  sobre assunto que já cheira a trump(a), de tão repetida pelos que sabem, e pelos que se acham entendedores do homem e da matéria com séculos, na conjuntura mundial arrastada até aos dias de hoje, pelos causadores e vadios de sempre!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.