terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Trumpeições

Ao que nos mostram as imagens divulgadas pelas têvês a partir dos E.U. centenas de pessoas estão revoltadas com a eleição do ricaço Donald, e dono de um dourado mealheiro, maior que uma qualquer torre de marfim. Tais grupos de pessoas vão para a rua (re)clamarem contra a Democracia. O vencedor das Eleições ocorridas na maior "democracia do mundo"(!), ao que parece, padece de legalidade, e não deve ser consentido governar, uma vez  que Posse já tomou, e não há volta a dar. Os americanos descontentes vão ter que aguentar. E aguentam, aguentam. Ai isso é que aguentam, tal como nós. Não é assim Ulrich? Donald Trump, o presidente escolhido pelo método democrático e admitido pela Constituição americana impõe que seja ele e não ela, a tomar em mãos os destinos da política norteamericana e a do mundo que se lhe submete ou dela depende, e os perdedores saltam para a rua, a fazer o espectáculo a que muitos até estão habituados pois é essa a sua função no dia-a-dia e por palcos iluminados, que ao mundo das artes pertencem e por tal são bem pagos. Uns cantam e tocam, outros exibem cartazes e mensagens, outros com menos imaginação fazem fogueiras e partem a loiça. O costume de quem é "democrata", mas não aceita os resultados saídos das urnas aonde os votos deram entrada e de onde saiu o vencedor legal, eleito pelos demais. Afinal o que é que querem estes controversos opositores, senão a destituição do louro-laranja, marido da bela e silenciosa ex-modelo, que o acompanha timidamente com um sorriso quase recolhido, arrastando o séquito multimilionário, e tão polémico, sem que ainda hajam provas em marcha, da sua política "jurada" maléfica? Talvez uma medida como a que foi tomada no Brasil, em que destituíram a Dilma para lá colocarem ou aceitarem de bico calado, e "democráticamente" o Temer, rei do país corrupto e do crime sem castigo? Será assim ou uma aberração parecida? Lembrem-se. Estamos na América!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.